segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

BBB: É justo julgar a inteligência de uma nação pelo programa que ela assiste?

Antes de qualquer coisa: Não estou aqui para defender o formato BBB, até por que eu acho que um programa que não acrescenta nada de novo há 14 anos já deveria sim ser substituído, não por que seja bom ou ruim, mas por que é velho e um velho que entedia, que cansa e, como toda rotina, acomoda. Sempre os mesmos rostos, os mesmos corpos e dimensões cerebrais aproximadas, geralmente um tanto inferiores às dos ratos. Há sim um fenótipo ou biótipo BBB, como queira chamar. Mas enfim, também não suporto a hipocrisia do povo perdendo horas no Facebook brincando de “telefone sem fio” usando a opção compartilhar como máquinas treinadas a passar adiante qualquer frase de efeito independente do que seu conteúdo realmente diga. Eu assisto o BBB, sei ler, escrever (com limitações é claro, como qualquer um), concluí ensino médio e estou na universidade, ou seja, Vejo o BBB e não sou Burro, ao contrário do que tem se difundido por aí. É uma escolha, e se quer saber, ou não, eu não precisei entrar numa universidade para aprender a finalidade ou como fazer uso do controle remoto. Como disse é uma escolha se não está me divertindo eu mudo de canal,  é fácil qualquer dia ensino. 
Sim, eu concordo que haja opiniões autênticas em meio a tantos Ctrl+C’s, Ctrl+ V’s, mas os gênios que detêm o poder sobre elas não debatem, isso por que enquanto tá cheio de babaca perdendo tempo no face dizendo que mais vale ler um livro que assistir este ou aquele programa, o admirável ser pensante (e eu estou falando sério) está realmente lendo um livro. E por falar em livro, quem desses seres superiores que não assistem ao programa já leu o livro de George Orwell (Pseudônimo do escritor inglês Eric Arthur Blair), intitulado 1984, em que o odiável Big Brother é personagem de destaque? Talvez ninguém, né! Eu também, não. Só usei o exemplo para gente chegar no título deste post que já ia acabar sem que o assunto fosse mencionado (emoção do retorno, entenda). Bom, o escritor é inglês, mas o programa Big Brother nasceu na Holanda gestada pela empresa dos rapazes super criativos Joop van den Ende e John de Mol, a monstra dos realities shows (pelo menos no Brasil) ENDEMOL. O nome da empresa é a fusão dos nomes dos donos Ende+Mol, daí você vê o que pode esperar.
Pra não fugir do assunto: HOLANDA-  Índice de Alfabetização: 99% da população (estimativa 2003) de acordo com a CIA The World Factbook, IDH: 0,921 (Pnud 2012) - desenvolvimento humano muito alto. Pois bem, duas informações sobre a Holanda que primeiro viu o programa (e vendeu a ideia para o resto do mundo) que não tem a população mais burra por causa disso.  Entenda, não é da televisão que você tem que cobrar educação, não é ela a responsável pela formação de maus profissionais ou delinquentes marginais. Inteligência a gente adquire (primeiramente) na escola e se ela é boa ou não a culpa é dos caras você coloca no poder. Compara a quantidade de conteúdo que a televisão oferece com a enxurrada de conteúdo oferecido pela internet, no entanto não são as duas as grandes carrascas das cabeças pensantes. O problema não é o conteúdo oferecido pela TV ou pela internet, mas o conteúdo na cabeça de quem senta em frente à televisão ou computador, essa bagagem não é de exclusiva responsabilidade da TV muito menos da Net . Só pra não ficar mais chato, em resumo, imagina uma faca, o inteligente pode usá-la para facilitar a elaboração de pratos deliciosos, mas na mão do ignorante ela pode causar feridas fatais, da mesma forma são as pessoas ao se aproximarem da TV ou internet e a forma como elas usam o que absorvem como forma de entretenimento função primeira da televisão. 

Uma última dica: Vamos parar de compartilhar e começar a ler de verdade para que nossos argumentos não continuem assim tão vazios. E pronto...
PS.: São tão burros quanto os brasileiros os estadunidenses, os canadenses, franceses, gregos, os suíços e mais um monte de países no mundo todo por suas versões do reality.  

Enquanto isso no Ocioso...