quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Brasil garante público maior que o estimado para o fim do mundo


Notícia boa na quinta-feira depois [ou ainda de] carnaval [se você estiver na Bahia, por exemplo]. Número de mortes em rodovias federais cai 18 por cento este ano, é o que indicam os números divulgados pela Polícia Federal na quinta-feira (23). Não é legal saber que morreu menos em 2012? Só não sei por quanto tempo estes continuarão vivos, afinal não é novidade para ninguém que este ano pode finalmente ser o ano do fim. Entendo a galera que exagerou, esse pode ser o último carnaval, os próximos feriados podem também ser os últimos, enfim estes podem ser nossos últimos 360 dias que já começaram a contar.
Quanto aos que não morreram fica a dúvida, por que este ano foi (um pouco) diferente? A resposta pode está acima da capacidade humana de pensar. Sim, há em cada ser humano a capacidade de entender que álcool e direção não combinam, mas esta capacidade é pouco utilizada principalmente em dia de festa. Como adiantei, pesquisas revelam, [mentira] pesquisa coisa nenhuma, eu é que concluí sozinho mesmo que a redução do número de mortes neste carnaval é responsabilidade do encarregado do evento mais aguardado do ano, O Fim do Mundo. Este (o encarregado) quer ter público, com latinha de cerveja e tudo nos estádios onde será transmitido o evento histórico e último. A questão é que analisando o jeitinho brasileiro de curtir feriados e festas populares o encarregado viu que, diferente do que estão anunciando, o Brasil sim, estará preparado para um evento deste porte, porém poderia não ter público suficiente para o retorno do investimento, o Brasil, como no caso da copa aceitou todas as exigências e parece que meia entrada no fim do mundo também não vai rolar para a tristeza dos estudantes que acompanharão o evento na rua em grandes telões fora dos estádios. Pelo menos uma coisa foi boa, para cumprir as exigências o país resolveu intensificar as blitz da lei seca e os números indicam que deu certo. Nos 3.345 acidentes registrados pela Polícia Federal somente 176 morreram.
(Precisava morrer alguém? Até quando a gente vai continuar comemorando redução em número de mortes que nós mesmos causamos? É para pensar não para concordar comigo!É o preço que eu prefiro não pagar...
Também para redução do número de mortes em rodovias federais a presidente Dilma conversou com Adriane Galisteu a fim de saber quantos a odeiam, a preocupação da presidente é que os inimigos da apresentadora de fato deitem na BR como a apresentadora propôs no Muito+ em resposta ao diretor Vildomar Batista. Dilma apresentou também outras possibilidade, como deitar em rodovias estaduais, escolas públicas,  que fossem atendidos pelo SUS ou simplesmente que a loira fizesse as pazes com os que a odeiam.
FONTE: R7

domingo, 19 de fevereiro de 2012

Brasil sem carnaval, quem paga pra ver?

Desculpa Kaio Oliveira, #OrgulhodeSerNordestino eu também tenho, mas dessa vez vou ter que discordar...

Que beleza! Como diz o poeta em fevereiro tem carnaval, e com ele tem também o famoso catador de latinha. Sim, o que depende do carnaval para comprar o leite do filho. Depende? É por isso então que o governo investe milhões nos quatro ou mais dias de festa?
Que o carnaval faz parte da nossa cultura eu não discordo, que ele gera “emprego” aí já é pedir demais. No máximo ocupação. Os cantores e banda do gênero não dependem exclusivamente dele para arrecadar fortunas. Ou não vemos Ivete, Cláudia Leite e música idiota, do tipo ai se eu te pego, o ano todo?
Também não defendo sua extinção, até por que [o extinto seria eu] lazer é direito constitucional. Porém mesmo sendo um direito não me obrigo a vê-lo com bons olhos. E já digo por que. Bem, diferente da maioria dos caras da minha idade, eu passo sóbrio os quatro dias de carnaval e tradicionalmente estou inteiro na quarta-feira de cinzas para acompanhar nos jornais os números do feriadão. Geralmente compõem estes números caras, também da minha idade, que já não estão tão inteiros ou vivos como na sexta-feira antes da farra. Um preço que eu preferia não pagar em nome da “cultura”. E por falar em cultura, o que de fato é cultura na festa mais popular do Brasil? Avalie você mesmo e conclua “cara, caramba, cara, caraô...”
“A gente não quer só comida, a gente quer bebida diversão e arte”. E quem disse que eu quero diversão e arte uma vez por ano? Quem disse que o catador de latinha tem quer esperar o ano todo para que em fevereiro possa finalmente comprar o leite do filho? Sim, é uma ocupação digna, mas para fim de conversa eu pergunto: Quem quer ser catador de latinha quando crescer? Quanto dos milhões investidos na festa está indo para o bolso de quem mais trabalha? Centavos. Por que a Cláudia Leite, a Ivete (que eu adoro) ou o Chiclete com Banana têm que receber mais que os catadores? Se recebessem o mesmo eu também usaria a ocupação como justificativa.
E por fim, de fato tirar o carnaval do Brasil seria tão trágico quanto tirar o McDonalds dos Estados Unidos. +PENSE: Em 2008 as despesas médicas referentes a problemas com a obesidade nos EUA foram de US$ 147 bilhões. É importante lembrar que o Fast Food torna obeso mais de um terço dos adultos e 17% das crianças no país.   E no Brasil? Quanto se gasta antes, durante e depois com policiamento e emergência hospitalar? Prontidão incomum em dias normais quando, por exemplo, o trabalhador precisa ser socorrido. Impressionante, como para o bêbado fantasiado tem leito e segurança garantidos se no dia seguinte ele quiser retomar as atividades carnavalescas normais. Mas confesso, depois de passar pelo pesadelo que foi a greve da PM aqui no Ceará, ver dezenas de policiais na rua me anima a desejar que carnaval fosse o ano todo. Não seria necessário se durante o ano o retorno dos nossos impostos fossem serviços de qualidade compatível ao que pagamos.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Os gigantes Google e Facebook confirmam que a fome tem cor


Não sei se é comum em todo o Brasil as pessoas famintas dizerem que estão azuis, amarelas ou brancas de fome. Eu mesmo já fiquei verde, o que não tem nenhuma relação com a mutação do incrível Hulk.
Bem, até a minha última pesquisa no Google eu achei que isso tudo [essas cores todas] não passavam de meras metáforas. Mas não. O Google me confirmou uma suspeita que surgiu com as campanhas “humanitárias” do Facebook (mais uma vez o Facebook, já estou pensando na possibilidade de começar a cobrar pela propaganda, ou quem sabe uma parceria).
Antes deixe-me tornar público minha admiração aos que perdem seu tempo com algo útil, coisa como divulgar em suas montagens [ás vezes até] bem produzidas, que há pessoas passando fome enquanto nós estamos discutindo quem sai ou fica no programa, quem é a próxima vítima do vilão das oito ou pior, quem é a madrinha de bateria que menos sabe sambar. Mas as campanhas e em seguida a pesquisa no rei dos buscadores me confirmaram: A FOME É NEGRA. Faça o teste digite FOME no Google Imagens. Dá para brincar de Jogo dos 7 erros.
É negra e tem endereço, é africana. Por que isso? Fácil. E confesso está tomado de raiva por que hipocrisia me adoenta. Perceba a lógica e concorde (ou não) comigo; Onde as populações são originalmente negras? Na África, lá do outro lado do continente. Por isso penso (eu penso) que o objetivo de atribuir cor à fome é simplesmente afastar qualquer possibilidade de se comprometer com ela. Branco brasileiro também passa fome, ou não? Mas é melhor não saber, ele (o faminto “branco” e brasileiro) pode bater na sua porta a qualquer momento se sentir que você se importa com sua condição. Não é assim? Melhor manter a fome longe e então você não tem responsabilidade alguma sobre ela e ainda posa de salvador apontando os culpados. Não estou dizendo aqui que esta fome (a da África) não deva ser divulgada, mas não acho justa a pose de herói dos que a divulgam como se debaixo do seu nariz outros tantos famintos não esperassem uma atitude misericordiosa. Como se falar bastasse para salvar o mundo. As fotos de crianças desnutridas do nordeste da África comovem, mas comoção não sacia a fome. Em quantas destas fotos você vê o contato ou o número da conta bancária de alguma ONG que trabalha para mudar esta realidade? Eu não vi em nenhuma, logo nada mudou com a divulgação da mesma. Pura DEMAGOGIA,  e se quiser saber o que quero dizer com isso clique aqui <DEMAGOGIA>.
 Se gostou do blog curta nossa página no Facebook

domingo, 12 de fevereiro de 2012

Para não falar mais de BBB. Você tá fazendo isso totalmente errado.


Prometi que de BBB eu não falaria mais. Pena. Mais uma promessa que eu não vou cumprir. Sim, eu confesso, já fui grande fã do programa, lá entre o 1º e 3º. Este eu só sei de muita coisa por que a galera que se posiciona contra o programa desde antes da sua estreia (agora sem acento segundo o meu Word) faz questão de contar tudo o que rola. Acho que o programa faz mais sucesso na internet, nas redes sociais ou no site de “notícias” da Rede Record (R7) do que na TV. Fica a dica então, o BBB 13 pode tranquilamente ser a primeira versão do Reality total e exclusivamente on-line. Pelo menos ninguém vai reclamar de pornografia, afinal mais de 60% dos sites em toda a rede são de conteúdo pornográfico (veja também).  Antes de continuar leia a Charge.
A pergunta agora é; por que não há campanhas para retirar do ar também estes sites? A resposta é lógica, simplesmente por que se você não quer ver aquilo, você procura outra coisa para fazer na frente do computador (ou não). Você está livre para isso e é responsável pelo que quer ver. O número para a eliminação do programa é bem fácil, sugestivo, no seu controle remoto pressione a tecla NEXT, alguém já ouviu falar? Sabe para que serve? Tem também uma opção mais inteligente, pressione no mesmo controle remoto a tecla POWER geralmente de cor diferente das outras e em seguida procure na estante mais próxima um bom livro e vai ler (essa dica é boa para tudo). 
Bem, se você quer o fim do programa saiba que está fazendo isso totalmente errado, usa a inteligência, os programas só existem enquanto há quem os assista. Mas deixa-me adiantar para não falar mais sobre assunto, o fim do BBB é certo e consequência do desgaste e da péssima qualidade do programa atualmente. O chato é que tem gente querendo a glória deste fim, pior é que não é para fazer um programa de melhor qualidade, mas para fazer a mesma porcaria, e você vai consumir.
Não ia falar, mas me impressiona o jeito torto do povo reivindicar, descobrem-se os pés para cobrir a cabeça. E nisso vira-se massa de manobra. A Globo tem concorrente, e você sem remuneração está trabalhando para ela. Lembra o dia sem Globo? Duvido tentarem o dia sem TV, todo mundo voltando para o rádio. Não, não é por cultura, valores ou moral que se está lutando, se assim o fosse o motivo de nossa revolta não seria apenas o BBB, mas as novelas, suas mortes e seios expostos, os Pânicos e Legendários. Acaso não há mulheres quase ou sem roupas nestes palcos? Ou é assim que elas têm que ser vistas? Bundas desnudas esfregando-se na cara do seus filhos. Prefiro não vender a imagem de bom moço, quando essa luta tiver sentido e seus protagonistas tiverem conteúdo crítico suficiente para que suas respostas não sejam argumentos vazios, sem nexo, então eu a compro. 
Brasileiro, você tá fazendo isso totalmente errado. 

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

O que você escreve diz muito sobre você (?)

Não tem jeito, a internet já faz parte da vida de todo mundo e não dá mais para viver sem ela. Você mais radical deve está discordando, mas vê a televisão, quem não tem a sua em casa? A utilidade das coisas é mesmo muito relativa. Para que serve a televisão? Antes para entretenimento,  no decorrer de sua história a televisão foi ganhando outras funcionalidades, educar foi revolucionária, hoje, porém, essa fase passou, afinal quem mais aparece às vezes não terminou sequer o ensino médio. Basta ter bela bunda, belos seios ou se sua meta (homem) é um certo Reality Show basta postar vídeos íntimos na internet. E é justamente aqui onde eu queria chegar. Não, não nos vídeos que “acidentalmente” vazaram dos participantes da casa (antes) mais vigiada do Brasil. O assunto é a internet e o que as pessoas pensam de você, depois de lerem suas atualizações de status no Facebook, por exemplo.  
Eu peço perdão, mas tenho que reconhecer, eu sou um tanto [pre]conceituoso. Ajudem-me, eu não consigo acreditar na inteligência de pessoas que escrevem assim:


Não sei se vocês "entenderão" (isso é futuro) que a pior "indiotice" que essa garota fez foi, com certeza, tentar corrigir a burrice escrita no primeiro comentário. Ela "min" "disculpe". Essa não foi do Face, foi do R7 mesmo, mas na rede social não faltam exemplos, quer alguns?  Saldade, hipocresia, auguem, tenço, converça, serteza ...
Uma boa opção para quem quer escrever melhor é digitar no Word antes de publicar qualquer coisa, se houver erro vai ficar vermelho embaixo, então basta clicar com o botão direito do mouse na palavra e o milagre da correção te dará a escrita correta. Não digo isso por me achar melhor, mas por que faço uso da estratégia. E com conhecimento de causa eu te garanto que você vai escrever bem melhor, e em pouco tempo já não vai ter dúvida alguma. Outra boa opção é a leitura de [pelo menos] um livro por mês. Fica a dica.  Cuida da beleza que cirurgia plástica nenhuma dá jeito.

Enquanto isso no Ocioso...