domingo, 3 de julho de 2011

Aprendi na universidade...

Aprendi um monte de coisa na universidade, de teorias filosóficas malucas de gente que jurava ser normal a ideias extremamente feministas de gente normal, mas que fica maluca quando assunto sugere machismo mesmo que bem de longe.  Isso me levou a refletir sobre a questão. Eu concordo que de todas as criaturas de Deus a mulher é a melhor, mas talvez por isso, é também a mais complexa. “Pisamos em ovos” quando estamos com uma e por mais que nos esforcemos seremos sempre “sem vergonha”, “canalhas” e nunca prestaremos. O melhor é não contrariar, por isso eu não aderi à campanha “homem que presta” no Facebook essa semana, melhor que elas me conheçam ruim e se surpreendam com o melhor que eu posso ser. Para não decepcioná-las eu prefiro deixa-las a vontade. Mas me parece que decepção maior é descobrirem que estão erradas, afinal essa ideia de que homem não presta é tão bem vendida por elas que já cheguei acreditar que a qualidade que mais as atrai é justamente o fato de o cara não prestar. Não entendam mal, digo isso “pela última palavra” que insistem em dizer que é delas, então quanto mais grosso e mal educado mais superiores elas se sentirão.
Nestes primeiros dias na universidade aprendi também a usar o Facebook, o chato é que a melhor hora para usá-lo tem sido nas aulas, quando fluem as frases de status mais idiotas.  
Para que não pensem que não estou aprendendo coisa realmente significativa preciso dizer aqui que se faz chá da unha de gato, mas ele não é feito com unhas de gato e sim de uma planta. Aprendi que tem maluco por aí tomando chá de pênis de anta para impotência sexual e receitando o chá de osso do veado à crianças que não conseguem andar, vejam,  isso eu aprendi na universidade, e sei até que o veado é usado por ser veloz e correr muito, tem outras qualidades mas o palestrante preferiu não mencionar, só não sei se há efeito colateral, imagina a criança passar o resto da vida dando pinta. 
Por fim também aprendi que a maldita muriçoca aqui do Ceará tem um nome de guerra, e Brasil adentro atende por carapanã. É muito veado mesmo essa muriçoca.

Enquanto isso no Ocioso...