segunda-feira, 25 de julho de 2011

Cavalo de Tróia Tim Beta, saiba Tim Tim por Tim Tim.

Você cliente Tim, com que finalidade põe créditos no celular? Não sei você, mas ponho para conversar horas e horas com as meninas super simpáticas da central de atendimento da operadora. As meninas parecem muito carentes. Sabe aquelas namoradas grudentas para quem você tem que ligar todo dia? Elas são assim, todo dia me dão um motivo para falar com elas. Começo acreditar que esse é mais um plano da operadora sem fronteiras, o plano “vai dar Namoro Liberty” esse é para desencalhar as atendentes (e talvez os clientes encalhados).
Eu fui escolhido para participar do plano e desde o dia 26 de junho, não falo com mais ninguém, só tenho tempo para Joyce, para Janaina ou para Jaqueline, de manhã, de tarde e de noite. Não é amor, não, e eu nem sequer estou me divertindo, elas insistem em me chamar pelo primeiro nome acompanhado de um “senhor” que triplica minha idade, parecem gostar de caras mais velhos. Tudo bem, estou solteiro, mas o plano da empresa para desencalhar as atendentes está me tirando do sério, brincadeira de muito mau gosto. Eles me deram um chip “Cavalo de Tróia”, ou seja, me ofereceram o plano “mãos ao alto”, vulgo Tim Beta, e das duas últimas recargas que fiz não me restou um centavo sequer. Nisto consiste o plano, eles te tiram centavo por centavo e você é obrigado a ligar para uma das garotas. Todas muito simpáticas no início, mas esteja preparado nesse “vai dar namoro” se não eles não te curtirem, você vai para o toco, lá a tortura é maior, você participa de uma pesquisa de satisfação (COMO ASSIM MEU DEUS?). Isso mesmo galera, imagina que coisa lógica, a atendente inventa uma desculpa qualquer, seu problema não é resolvido depois de quase uma hora pendurado no celular quase explodindo no seu ouvido e você ainda é direcionado a uma pesquisa de satisfação. Eu entendi por que, já que se você fizer quatro ligações cada uma vai ter uma desculpa diferente, então na pesquisa você dá maior nota àquela que mais te fez de otário. Digo isso por experiência própria, das quatro que fiz uma disse que um download foi feito quando eu nem estava como celular, quase acreditei que ele tinha vida própria, noutra eu havia feito uma ligação para o MEU telefone Claro (CLARO QUE NÂO), tudo bem, eu me adoro, eu sei o quanto sou foda, mas ligar para mim seria demais, o que eu ia dizer para mim mesmo? Eu sei de tudo que eu faço, estou comigo o dia todo, eu sabia onde estava naquela hora e se estivesse perdido EU seria a única pessoa que não poderia fazer nada coisa para ajudar.
A terceira não gostou de mim e desligou na minha cara, e a quarta por fim afirmou que havia cobrança indevida no meu TIM. Eu quase não acreditei, e foi bom não acreditar, eles me retornaram a ligação e a moça, me deu um fora dizendo que não poderia realizar o estorno por que eu havia usado os créditos em rede sociais que não fazem parte do plano e me deu o MSN como exemplo. Detalhe Orkut, Facebook, Twitter e MSN não seriam cobrados no plano Tim Beta.
O bom é que por problemas judiciais a Tim não pode cadastrar nenhum número novo aqui no Ceará, os cavalos de Tróia distribuídos nas redes sociais não serão usados. Menos “centavinhos” convertidos em milhões nos bolsos sem fronteiras, quer dizer, agora tem fronteira, no Ceará eles não entram.
Que bom, o povo cearense agora pode levar o celular no bolso sem medo de estar sendo roubado.

domingo, 10 de julho de 2011

Quando a credibilidade da Rede Record saiu para passear

Li e reli todos os comentários da postagem “Todo mundo odeia o Datena”, garanto que com profundo respeito, porém, confesso que ainda me incomoda o fato de pessoas preferirem violar o valor de suas teses se expressando anonimamente.
IMPORTANTE: Para entender este post leia o  “Todo mundo odeia o Datena” e os comentários, se possível.
Deixo claro que na postagem não defendi emissora nenhuma, o que disse foi o que qualquer ser racional habitante da terra percebe com grande facilidade. Na guerra pela audiência deveríamos sair ganhando, porém não é assim que acontece. Não se pode esperar nada além de cópias. Se ficar difícil lembrem os exemplos já citados em outra postagem (Clique aqui).  Há distinção entre “Lar doce lar”, “Sonhar mais um Sonho” e “Construindo um Sonho”? Sim, as emissoras e os babacas que apresentam. Fora isso nada.
Que na TV brasileira nada se cria tudo se copia não tem mais o que discutir. Mudemos de assunto então, vejam o comentário a seguir:

Anônimo: CARA.. NA BOAA.. VC SO PODE SER LEZADO, DIZER Q É COMBINADO COM BANDIDO, VC VIVE NO MUNDO DAS MARAVILHAS? NO MINIMO VC DEVE FAZER BALE, OU ALGO ASSIM PRA TER ESCRITO UM TEXTO TAO HIPÓCRITA E PODRE..
OLHE AO TEU REDOR, A VIOLENCIA TA AI MANÉ, SE SITUA NO MUNDO SEU CALÇA COLORIDA.

Isso quer dizer o quê? Nas calçadas que você passou hoje, quantos crimes você presenciou? Quantos ladrões você viu assaltando alguém? Quantos maridos você viu esquartejando suas esposas?
Não estou dizendo que isso não aconteceu, mas se aconteceu você não viu e não viria com a mesma facilidade e regularidade que o Comandante Amilton.
Não defendo um jornalismo que negue a existência do “mal”, mas condeno o jornalismo que exalta o mal a ponto de pessoas mesquinhas como o anônimo acima criarem em suas cabeças um mundo mais sangrento do que de fato é.
Por que gente boa não vira noticia? Por que gente boa não dá ibope? Será que não dá? Alguém tentou? Acredite, este noticiário fúnebre e em estado de decomposição até seria relevante se  animasse o anônimo e seus discípulos a levantarem da frente do computador e tentarem fazer alguma coisa para mudar. Mas o que acontece é o crescimento do sentimento de impotência humana nestes que se tornam cada vez mais frios.
Crimes acontecem todo dia, este fato por acaso nos furta o direito de ser feliz? De procurar na televisão algo que me divirta? Devemos mesmo chorar a morte até ela deixar de acontecer? Pobre, podre e hipócrita é a humanidade acomodada que pensa assim, ela nunca sorrirá e estará sempre em casa consumindo as porcarias que a televisão oferece. É bem possível que esta seja a intenção, te encarcerar  em casa por que na rua você não é rentável. 
Agora uma questão que talvez aqueles que defendem este jornalismo medíocre ainda não parou para pensar:  Até que ponto você pode acreditar naquilo que ver? A televisão está criando na cabeça de muitos intelectuais a ideia podre de que o mundo é a experiência em vida do inferno e que nós temos que assistir. Para ela, jornalismo verdade é aquele que esfrega na nossa cara o inferno do outro a fim de também nos fazer mal. Não uso calças coloridas nem faço balé e se fizesse isso não me impediria de ver que o jornalismo verdade não é tão verdade assim. Digam para mim como foi o enterro de Amim Khader, contem para mim detalhes do velório. Quem da Rede Record empresa do repórter(?) estava lá? Ninguém. O cara não morreu. E “sempre na frente”, a própria Rede Record anunciou e chorou a falsa morte.
Precisamos mesmo saber as dores do mundo por estes carniceiros? Você já se perguntou, depois da gafe, sobre o quanto de informação mentirosa você já absorveu? Quantas mentiras nos contaram e ninguém foi a público negar?
Por fim, precisamos realmente saber do que não podemos mudar? Não seria mais lógico conhecer o mundo a nossa volta, esse que podemos transformar?
Eu continuo defendendo que entretenimento faz bem e é o que deveria ocupar a considerável parcela do horário na televisão dedicada, hoje, à adoração da morte.
Em um bom filme ou seriado eu pelo menos não tenho dúvidas de que é tudo mentira. E nos jornais de qualquer emissora?

domingo, 3 de julho de 2011

Aprendi na universidade...

Aprendi um monte de coisa na universidade, de teorias filosóficas malucas de gente que jurava ser normal a ideias extremamente feministas de gente normal, mas que fica maluca quando assunto sugere machismo mesmo que bem de longe.  Isso me levou a refletir sobre a questão. Eu concordo que de todas as criaturas de Deus a mulher é a melhor, mas talvez por isso, é também a mais complexa. “Pisamos em ovos” quando estamos com uma e por mais que nos esforcemos seremos sempre “sem vergonha”, “canalhas” e nunca prestaremos. O melhor é não contrariar, por isso eu não aderi à campanha “homem que presta” no Facebook essa semana, melhor que elas me conheçam ruim e se surpreendam com o melhor que eu posso ser. Para não decepcioná-las eu prefiro deixa-las a vontade. Mas me parece que decepção maior é descobrirem que estão erradas, afinal essa ideia de que homem não presta é tão bem vendida por elas que já cheguei acreditar que a qualidade que mais as atrai é justamente o fato de o cara não prestar. Não entendam mal, digo isso “pela última palavra” que insistem em dizer que é delas, então quanto mais grosso e mal educado mais superiores elas se sentirão.
Nestes primeiros dias na universidade aprendi também a usar o Facebook, o chato é que a melhor hora para usá-lo tem sido nas aulas, quando fluem as frases de status mais idiotas.  
Para que não pensem que não estou aprendendo coisa realmente significativa preciso dizer aqui que se faz chá da unha de gato, mas ele não é feito com unhas de gato e sim de uma planta. Aprendi que tem maluco por aí tomando chá de pênis de anta para impotência sexual e receitando o chá de osso do veado à crianças que não conseguem andar, vejam,  isso eu aprendi na universidade, e sei até que o veado é usado por ser veloz e correr muito, tem outras qualidades mas o palestrante preferiu não mencionar, só não sei se há efeito colateral, imagina a criança passar o resto da vida dando pinta. 
Por fim também aprendi que a maldita muriçoca aqui do Ceará tem um nome de guerra, e Brasil adentro atende por carapanã. É muito veado mesmo essa muriçoca.

sábado, 2 de julho de 2011

Mais um selo para coleção...

Essa semana mesmo não tendo tempo de atualizar o blog recebi mais um selo do blog O fichário recomendo. 

O selo é esse: 

Agora tenho que indicar 5 outros, são eles:

Enquanto isso no Ocioso...