sexta-feira, 24 de junho de 2011

Todo mundo odeia o Datena

De todas as tentativas da Record de alavancar o IBOPE, nem a nova versão de “Rebelde”, ou o azedo “E aí Doutor”, me deixou tão intrigado como o novo “Cidade Alerta”, e não é pelo Datena e sua opinião favorável a pena de morte. Não sei se você teve o desprazer de ver o programa, e confesso que, como não via o “Brasil Urgente”, não posso comparar, mas vendo deduzi algo curioso e queria uma resposta.
O programa é transmitido ao vivo, mesmo assim todo dia tem um assalto, uma perseguição policial ou qualquer outra coisa para o comandante Amilto trabalhar. Veja, ao vivo e todo dia. A pergunta é: Teria o a Record algum acordo com os criminosos da cidade? Será?
Se tem, não sei, mas que programa policial, vulgo sensacionalista, como queiram chamar, já era inconveniente na hora do almoço, agora, na hora do jantar é de dá indigestão em qualquer um. 
Aqui no Ceará perderam a mão, e puseram tempero demais na porcaria que nos servem ao meio dia mostrando cadáveres sem nenhuma dignidade, nem embaçam mais a imagem.
O que me chateia é que nessa briga entre Globo e Record, nós deveríamos sair ganhando, mas não. É triste, parece que por mais que tente a Record não consegue ser a concorrente a altura da Globo, não se cria, se copia ou “recopia”, e o pior.
A emissora quer apostar no jornalismo, coisa que também parece não saber fazer. Bastava um jornal bem feito, mas não é assim que acontece, parece insegurança, é quase impossível diferenciar Record de Record News, é jornal de manhã antes do Hoje em dia, que por sua vez também começa e termina com noticiário, seguido de outro programa jornalístico, agora tem Datena no fim da tarde e depois de Rebelde tem outro jornal. Tudo isso para empurrar o que pode ser bom para a madrugada, como eu tenho o que fazer, não tenho tempo de assistir e saber se realmente é. Contudo, o bacana da volta do “Cidade Alerta” é que não tem mais “Todo mundo odeia o Chris” [Todo mundo já estava de saco cheio do Chris], se tocaram finalmente que o Chris não é o Chaves, e que é a vez de todo mundo odiar o Datena.

domingo, 12 de junho de 2011

Para que serve uma mulher na Escolinha do Gugu?

Acho que ainda não havia dito que todo domingo eu vou à missa, pode até ser que seja um cara de fé. É... Eu tenho fé, mas o que eu não tenho mesmo é saco para aturar a briga horrorosa entre as emissoras para saber quem faz o programa mais ridículo do domingo.
Depois do programa de esporte da Globo toda a programação, de todo e qualquer canal de televisão, fica insuportável.
Abrindo um parêntese, fique claro que estou quase considerando a possibilidade de o Felipe Neto ter plagiado o extinto “Sem Noção” (programa que eu gravava para o blog). Não sei se assistiram, mas o quadro do Felipe no Globo Esporte, que até semana passada não tinha nome, se chama curiosamente #Sem Noção. Se quiser conhecer a minha (e primeira) versão fica a dica de não perder seu tempo, é muito ruim, a do Felipe é bom pelo menos.
Voltando ao que não vale nada no domingo, também não sei se já assistiram a “Escolinha do Gugu”, se não viram ainda eu entendo, o programa não é para qualquer estômago.
Bem, sabem para que serve uma mulher nesta escolinha? Para algumas coisas como ser gostosa e burra, se inteligente também é gostosa e safada ou ainda se feia é dona de casa. A intenção do quadro é fazer rir? Não dá, (As meninas se quiserem podem pular esta parte), mas pensa comigo: Que tipo de homem dá gargalhadas quando está excitado? Eu não. Se a graça da mocinha é ser burra, tudo bem, sejam os machistas que quiserem, mas por que a índia que acha o homem branco bonzinho e as loiras burras não usam um pouco mais de roupa? Qual a relação entre roupa e inteligência? Ou entre nudismo e piada engraçada? A “graça” é mulher mostrar que não tem nada na cabeça, mas o corpão “tá 100% e facinho, facinho”.
DÚVIDA: Tem mulher que rir disso?
E a Geyse Arruda que, juro, pensei ser uma inteligente que usou vestido curto. Me enganei ou se ela é inteligente mesmo, vendeu a inteligência pelos miseráveis minutinhos falando bobagem até ser expulsa pelo Gugu.
Os homens para que servem? Para serem cornos (e a mulher mais uma vez é a vadia) ou para a sala não ter só mulher, por que aí seria burrice demais segundo a produção do programa.
Meu Deus que bom que a missa é no domingo.

sábado, 4 de junho de 2011

O Pará será dividido, azar do seu bolso.

Alguém me explica, por favor, qual era a intensão do governo na operação policial nas favelas do Rio em 2010? Era diminuir a criminalidade?
Como assim, se agora eles decidiram que vão criar mais vagas, para criminosos “legais” no país? Tudo bem que a palavra final é do povo é, e o pior, é que parece quererem.
Se você, com toda razão, não está entendendo nada do que estou falando eu vou tentar explicar, o Pará quer ser dividido, e para as três unidades resultantes da divisão serão necessários três senadores e, no mínimo, oito deputados federais e 24 estaduais, o número total foi calculado em 61 novas vagas. Quem paga por isso? Você, você, você, você... E, lógico, quem vai “sentir” muito pelo “divórcio” é seu bolso.
Até antes de ler essa notícia eu pensava em procurar o governo para conseguir um bom emprego, mas começo a pensar diferente, veja quanto vão ganhar os novos “empregados do povo”:

Cada deputado federal recebe, por mês, R$ 26.723,13. Ao todo, os parlamentares ganham 15 salários durante o ano, e contam com verbas de gabinete, passagens aéreas, moradia, plano de saúde e gastos administrativos pagos pelo Congresso. Os seis novos senadores de Carajás e Tapajós (as duas novas unidades) sairiam por cerca de R$ 10,8 milhões por ano. Já os novos deputados federais custariam um pouco (bem pouco) menos, R$ 10,5 milhões. Só com salários dos parlamentares, as duas novas assembleias legislativas gastariam juntas R$ R$ 11,5 milhões por ano, tomando como base a remuneração dos atuais deputados do Pará (R$ 20 mil por mês).

Os interessados procurem o povo do Pará. Para ocupar um dos cargos não é necessária formação específica, pode ser médico, advogado e até palhaço, quer dizer, palhaço somos nós que vamos pagá-los.
Alguém me disse outro dia que a separação custava caro, mas eu não imaginei que era tanto.

O argumento do "pessoal" do Norte e Nordeste é que a representação política compensa a desigualdade econômica. Dizem que São Paulo já é rico e o que compensaria esse poder do Sul e Sudeste é o maior número de representantes [de outros Estados]. Com a maioria no Congresso, seria possível garantir mais políticas para beneficiar os moradores desses Estados e isso equilibraria a federação.
FONTE: R7

Como você já deve saber é o povo quem vai decidir se divide ou não o estado por meio de plebiscito já aprovado na Câmara e no Senado.
Que vai beneficiar eu não tenho dúvida, que vai compensar a desigualdade também não, mas que é hora do "pessoal" que vai votar no plebiscito, pensar em quem, fazendo as contas, realmente serão os beneficiados, disso nós não podemos esquecer. 

Enquanto isso no Ocioso...